O PERÍODO GESTACIONAL PARA A MULHER

Por Ana Cristina Heiderscheidt Silveira e Giovana Hoffmann

A gravidez faz parte do ciclo vital de muitas mulheres e ocasiona grandes mudanças em sua vida. É a partir da gravidez que ela deixa de ser apenas mulher, para adquirir o papel social de mãe. Por ser um período de grandes transformações psíquicas e um período de transição, demanda um suporte a essas mulheres dos profissionais de saúde durante essa fase [1].

É na primeira consulta com o médico que a mãe busca tirar as primeiras dúvidas acerca da gestação, certificar se está realmente grávida, se seu corpo está preparado para esse bebê, se está tudo bem com a saúde desse bebê, bem como as ansiedades e dúvidas sobre o futuro da gestação. O profissional deve reconhecer que esse é um período de ambivalência na vida da mulher. Toda gestante quer e não quer estar grávida, pois neste período ansiedades e medos primitivos afloram, o que demanda do profissional compreender este período sem julgamentos [1].

Nesse processo, o psicólogo poderia auxiliar acolhendo esta mulher frente às incertezas apresentadas por ela. Ele também deve levar em conta que cada mulher vive a gestação de forma única, então deve olhar para sua subjetividade. Com o acompanhamento psicológico durante a gravidez, o psicólogo poderá esclarecer possíveis dúvidas que ficaram após a consulta com o médico, e ajudá-la a reconhecer de forma clara seus sentimentos e emoções [2].

Com o passar dos meses, novas dúvidas e ansiedades surgem na gestante. O primeiro trimestre é no qual geralmente ocorrem alterações de humor devido às mudanças hormonais e psicológicas, enjoos, as primeiras modificações corporais, entre outros [4]. No segundo trimestre é quando acontecem os primeiros movimentos do feto e a mulher sente seu bebê concretamente. Também é nesse período que ocorrem mudanças no desejo sexual.

Já no terceiro trimestre, começam a surgir ansiedades e medos com o parto que se aproxima, e as queixas físicas começam a aumentar. É de extrema importância o profissional estar atento a essas mudanças e proporcionar uma escuta acolhedora, tomando cuidado para não ter uma fala muito técnica, dificultando a compreensão desta mulher [4].  

No parto ocorre a transição entre a gravidez e o puerpério, é um período curto, porém marcado por grandes emoções e mudanças. Com o parto diversos medos começam a surgir, como o medo da dor que está por vir, o medo do bebê nascer e rasgar sua genitália, entre outros. A escolha entre os diversos tipos de partos (cesárea, normal, natural e humanizado) também geram dúvidas entre essas mulheres; questões religiosas e culturais também podem afetar na escolha do parto, causando insegurança e o medo de não ser capaz de gerar o bebê. O hospital também pode representar anseios para essa mulher, afinal é um ambiente desconhecido e por isso deve ser um local onde se sinta acolhida [3].   

O parto então é um fato social, no qual surge um novo ser humano. Ele é considerado um processo psicossomático, rodeado por idealizações e anseios; demanda dos profissionais orientar, fortalecer, escutar e esclarecer sobre as diversas questões que aparecem nesse momento. Esses esclarecimentos são importantes para o bem estar da mulher e possibilitam que ela possa enfrentar essas mudanças de forma mais equilibrada [3].

REFERÊNCIAS

[1] ALVES, C. F. et al. Intervenção Psicológica no período pós-parto em uma maternidade. Disponível em: http://online.unisc.br/acadnet/anais/index.php/jornada_psicologia/article/view/10213. Acesso em: 16 mai. 2018.

[2] FLECK, A. O bebê imaginário e o bebê real no contexto da prematuridade. Disponível em: http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/37208/000820507.pdf?. Acesso em: 16 mai. 2018.

[3] MALDONADO, M. T. Psicologia da Gravidez: parto e puerpério. 14 ed. Rio de Janeiro: Editora Saraiva, 1997.

[4] SARAMENTO, R. SETUBAL, M. S. V. Abordagem psicológica em obstetrícia: aspectos emocionais da gravidez, parto e puerpério. Disponível em:  http://periodicos.puc-campinas.edu.br/seer/index.php/cienciasmedicas/article/viewFile/1260/1235. Acesso em: 16 mai. 2018.

O TREINO DE HOJE #TÁPAGO: DÍVIDA COM QUEM?

Se o treino foi pago, é uma dívida? E, se for dívida, é com quem? A pergunta é simples, mas as respostas não.

Por: Fabiane Maria Schaefer Baron
Maísa Hodecker

A expressão “tá pago” está sendo utilizada constantemente entre os praticantes de atividades físicas. Normalmente, as pessoas utilizam a hashtag (#tapago) em fotos capturadas após algum treino ser finalizado, com a intenção de divulgar que todas as atividades físicas programadas para aquele treino foram realizadas com sucesso. Contudo, fica a reflexão: se o treino foi pago, é uma dívida? E, se for dívida, é com quem? A pergunta é simples, mas as respostas não. Dívida é alguma pendência, algo que está a haver com alguém. Neste caso, a dívida pode ser com a saúde, com a sociedade, com a mídia, consigo mesma, etc. Embora possam haver diversos fatores atrelados a essa dívida, se a pessoa precisa “pagar” para fazer algo, pode estar realizando o exercício errado.

Isto se justifica já que o exercício deve proporcionar bem-estar, prazer e qualidade de vida. Quando praticar o exercício passa a ser algo “pago”, maçante e tedioso, torna-se necessário modificar o treino ou o próprio exercício, para que a pessoa resgate a vontade de praticar exercício e não se sinta na obrigação de finalizar, mas finalize por questões de satisfação pessoal. Além disso, seria benéfico conversar informalmente com o praticante de exercício físico, buscando reconhecer que exercício ou treino mais se sente confortável em realizar e identificar quais os motivos associados a prática esportiva. Outro fator preponderante para a satisfação do indivíduo é o modo como o exercício ou treino é encaminhado e direcionado, isto é, o modo como o treinador ou professor está lidando com o praticante de exercício[1].

Todo praticante de exercício possui algum objetivo final. Uns pretendem ganhar massa muscular, outros perder gordura, outros melhorar o condicionamento físico, outros por questões pertinentes a saúde, mas todos possuem algum intuito. O papel do treinador/professor é acompanhar, orientar, instruir, visando o progresso do aluno até que sejam, enfim, alcançadas as metas e o objetivo final. No decorrer desse trajeto, é relevante que o treinador/professor esteja ciente de sua postura e expressões diante dos sucessos e fracassos de seus alunos. Aconselha-se uma postura neutra, sem privilegiar mais um do que outro, mas que reconheça quando o aluno conseguiu atingir uma meta ou objetivo e que também reconheça a luta de algum aluno mesmo diante de algum fracasso[2].

Acredita-se que esses fatores são apenas alguns que podem favorecer o treino ou a prática de exercício físicos para deixar de ser “uma dívida” extremamente desgastante para ser um fator associado ao bem-estar físico e psicológico. Assim, a motivação deve ser avaliada no contexto esportivo, os exercícios programados para cada aluno/atleta devem estar equiparados ao seu nível de motivação. Alunos extremamente motivados podem decair diante de algum fracasso ou de alguma expectativa não suprida. Para eles, é aconselhável criar um treino regular e com exercícios moderados, e aumentar o nível de dificuldade gradualmente. Já alunos com baixa motivação necessitam de exercícios que sejam de sua preferência, com acréscimo gradual de exercícios com maior dificuldade de realização. Dessa forma, a cada acerto ou a cada ganho relacionado ao exercício o nível de motivação do aluno poderá aumentar proporcionalmente[2].

Portanto, acredita-se que o constante uso da hashtag “tá pago” está atrelado a falta de motivação e/ou realização pessoal para realizar a prática esportiva ou determinados treinos. Modificar os treinos, a atividade física, o horário e duração dos treinos, bem como a própria postura do treinador/professor podem favorecer para que o treino seja mais prazeroso[2]. Ressalta-se que a expressão pode comunicar uma dívida para com outrem, como mídia, sociedade, como para consigo e para melhorar a saúde. Entretanto, as premissas apontam não são cabíveis de generalização, levando em conta que diversas pessoas podem fazer o uso da referida expressão mas sentirem-se confortáveis e realizadas pós-treino.

REFERÊNCIAS

[1] RUBIO, Katia. A psicologia do esporte: histórico e áreas de atuação e pesquisa. Psicologia: Ciência e Profissão, Brasília, v. 19, n. 3, p. 60-69, 1999. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98931999000300007&lng=en&nrm=iso>. Acessos em: 29 Jan. 2018.

[2] WEINBERG, Robert S.; GOULD, Daniel. Fundamentos da psicologia do esporte e do exercício. 4. ed. Porto Alegre: Artmed, 2008.