O fazer em Psicologia na atualidade

Por: Ricardo F. de Oliveira

“Você faz psicologia!? Isso é para gente meio doida;  Nossa, você vai cuidar de gente louca; Ser psicólogo é fácil, ganha dinheiro só escutando os outros.”

 

Qual o estudante de psicologia ou psicólogo formado que nunca ouviu algum comentário deste tipo? Não é comum o psicólogo ser estereotipado como aquele indivíduo que trabalha em uma clínica e trata apenas da loucura?

A Psicologia é uma ciência nova quando comparada a outras ciências, possuindo pouco mais de 115 anos desde sua criação. Seu objeto de estudo é o comportamento humano. No Brasil, a profissão de psicólogo é reconhecida por lei desde o ano de 1962, e tem sua prática regulamentada pelo Conselho Federal de Psicologia, de acordo com a resolução nº 02/1987, o qual institui o código de ética do psicólogo. Durante todos esses anos a Psicologia cresceu muito como ciência e como profissão, mesmo assim, a sociedade ainda possui uma noção errada do que o psicólogo realmente faz, onde ele atua e qual seu papel na sociedade.

É comum que as pessoas, quando questionadas acerca do trabalho do psicólogo, citem a clínica, um divã, e um psicólogo que nada faz além de escutar. A imagem deste modelo por si só não é acurada, pois mesmo enquanto clínica, o trabalho do psicólogo vai muito além da escuta[1]. A construção científica em Psicologia nos permite um fazer muito amplo no que diz respeito a atuação, possibilitando ao psicólogo trabalhar em praticamente todas as áreas da sociedade, seja na educação, na saúde, nas organizações, e em qualquer âmbito onde houverem pessoas, pois onde há pessoas, há demandas para a Psicologia[2].

Atualmente, os psicólogos estão inseridos nos meios mais diversos, sendo o de maior destaque a saúde. Neste meio, o psicólogo atua em clínicas, hospitais, centros de atenção psicossocial, e em várias outras instituições públicas e privadas, colaborando com outros profissionais na prevenção de doenças e promoção de saúde[2]. A presença do psicólogo também se faz necessária em lugares afetados por desastres naturais, onde ele exercerá um papel muito importante tanto no acolhimento das vítimas, como nas ações preventivas, buscando preparar a sociedade para enfrentar possíveis desastres[3].

Na educação, a Psicologia tem um papel muito importante, pois atua de forma interdisciplinar com os professores e pedagogos, auxiliando direta e indiretamente na educação, nas formas de educar e na busca incessante pela democratização da educação, valorizando não apenas o ensinar, mas também os aspectos subjetivos do estudante e em como isso influencia no processo ensino-aprendizagem. Não obstante, a contribuição teórica da Psicologia no âmbito educacional é marcante, influenciando diretamente as formas de ensinar e aprender[4].

Nas organizações o papel do psicólogo é fundamental tanto para o trabalhador como para instituição onde ele está inserido, pois além dos processos de recrutamento e seleção, o psicólogo atua na promoção de saúde e prevenção de doenças que têm sua gênese nos processos laborais, influenciando direta e indiretamente neste processo, facilitando o alcance dos interesses do trabalhador e da instituição[5].

O papel da Psicologia, apesar de atualmente mais difundido nestas três áreas, às extrapola. Os conhecimentos construídos através de inúmeras pesquisas que abrangem as mais diversas áreas afetam outros fazeres, como a arquitetura, a moda, a administração, o direito, enfim, fazeres que direta ou indiretamente envolvem pessoas, vivências e experiências [5,6,7,8].

A Psicologia exerce um papel central no meio científico e social, pois seus saberes afetam ambos os meios e oferecem subsídios para a fundamentação de inúmeras práticas, os quais, acima de tudo, buscam colaborar para a promoção da saúde, a valorização da subjetividade e a proteção dos direitos humanos.

Referências

[1]LEME, Maria Alice Vanzolini da Silva; BUSSAB, Vera Silvia Raad; OTTA, Emma. A representação social da Psicologia e do psicólogo. Psicol. cienc. prof.,  Brasília ,  v. 9, n. 1, p. 29-35, 1989. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98931989000100009&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 16 abr. 2016.

[2]BASTOS, Antônio Virgílio Bittencourt; GOMIDE, Paula Inez Cunha. O psicólogo brasileiro: sua atuação e formação profissional. Psicol. cienc. prof.,  Brasília ,  v. 9, n. 1, p. 6-15, 1989 . Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98931989000100003&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 16  abr. 2016.

[3]ALVES, Roberta Borghetti; LACERDA, Márcia Alves de Camargo; LEGAL, Eduardo José. A atuação do psicólogo diante dos desastres naturais: uma revisão. Psicol. estud.,  Maringá ,  v. 17, n. 2, p. 307-315, June  2012. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-73722012000200014&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 16 abr.  2016.

[4]DAZZANI, Maria Virgínia Machado. A psicologia escolar e a educação inclusiva: Uma leitura crítica. Psicol. cienc. prof.,  Brasília ,  v. 30, n. 2, p. 362-375, jun.  2010. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932010000200011&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em 16  abr.  2016.

[5]BASTOS, Antônio Virgilio Bittencourt; GALVAO-MARTINS, Ana Helena Caldeira. O que pode fazer o psicólogo organizacional. Psicol. cienc. prof.,  Brasília ,  v. 10, n. 1, p. 10-18, 1990. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98931990000100005&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 16  abr.  2016.

[6]ELALI, Gleice Azambuja. Psicologia e Arquitetura: em busca do locus interdisciplinar. Estud. psicol. (Natal), Natal , v. 2, n. 2, p. 349-362, Dez. 1997.   Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-294X1997000200009&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 18  abr. 2016.

[7]FLUGEL, John Carl. Sobre o valor afetivo das roupas. Psyche (São Paulo),  São Paulo, v. 12, n. 22, p. 13-26, jun. 2008. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-11382008000100002&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em:  18  abr.  2016.

[8]LAGO, Vivian de Medeiros et al . Um breve histórico da psicologia jurídica no Brasil e seus campos de atuação. Estud. psicol. (Campinas),  Campinas ,  v. 26, n. 4, p. 483-491, Dez.  2009. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-166X2009000400009&lng=en&nrm=iso>. Acesso em:  18  abr.  2016.

A divulgação do conhecimento Psi

Foi pensando em criar textos para a comunidade leiga que surgiu a ideia deste blog sobre a psicologia, hospedado no Centro Universitário de Brusque, procurando trazer conhecimento científico atual, cumprindo com um dos pilares éticos e sociais da ciência: divulgar o conhecimento para que toda a comunidade possa se beneficiar do avanço científico. Essa questão ética perpassa todos os tipos de conhecimentos, e muitos deles vêm impactanto a sociedade, sem que ela os conheça ou entenda como eles são produzidos, conforme fala do Professor Quilfeldt¹.

A divulgação do conhecimento na psicologia é ainda mais precário, poucos sites estão dispostos a divulgar conhecimento atual. Muitos sãos os sites com desinformações, posições mais ideológicas do que científicas e simples absurdos provenientes de convicções pessoais. A própria cultura popular não traz muita contribuição já que o conhecimento popular é muitas vezes contrário ao que se descobre na ciência, quando ele mesmo não se contradiz. Por fim, pouco se sabe da aplicação desse conhecimento na sociedade.

A tecnologia² proveniente dessa ciência não é amplamente utilizada, mas poderia, e não significa que algumas tecnologias conhecidas não estejam em vigor mesmo sem que os criadores o saibam (vide comerciais em geral). Conforme conhecemos, o ser humano só se permite ser controlado enquanto não sabe ou não tem conhecimento do que [ou de quem] o está controlando³. Logo é interessante a todo cidadão conheça os mecanismos pelos quais opera para que não se deixe levar, como na música de Zeca Pagodinho…

Neste sentido, é possível, por meio da academia, divulgar o conhecimento mais atual que temos, considerando que o ensino superior é onde o conhecimento é transmitido e produzido4. É dever do psicólogo divulgar para o máximo de pessoas o conhecimento de qualidade para que a sociedade não caia vítima de más práticas tanto psicológicas quanto pseudo-psicológicas (ou conhecimentos ainda mais oportunistas) que existem espalhados por aí.

Atualmente estuda-se e revisa-se cada vez mais as práticas psicológicas com curiosidade científica. Em 2012, Nosek5 divulgou que poucos estudos na psicologia eram replicados. Esse foi um momento especial para o crescimento da psicologia como ciência, já que a replicabilidade de um estudo científico é o que sustenta sua validade, ou seja, o conhecimento precisa passar em testes para ver o quanto ele se mantém. Assim podemos separar os fatos dos vieses de pesquisador e de publicação.

É claro que não basta conhecer os fatos relacionados ao conhecimento científico, mas sim como esse conhecimento é produzido, pois mais importante que conhecer é saber detectar os conhecimentos construídos com qualidade. Nesse sentido, vale inclusive ver o vídeo do Pirula6 sobre a desculpa do entretenimento, no qual ele traz uma nova visão para a divulgação científica.

Por esse motivo, os textos aqui presentes buscarão apresentar como exemplo, processos de conhecimento produzidos por acadêmicos. De forma sucinta e acessível desvendar um pouco do processo do conhecer que se faz dia-a-dia na academia, bem como trazer informações valiosas.

Essas informações podem ser utilizadas para que qualquer leitor tenha um pouco mais de percepção sobre sua condição humana, seus comportamentos, pensamentos e relacionamentos, tornando-os mais saudáveis na medida do possível. Também servirá como um exercício de cidadania para os acadêmicos e futuros psicólogos que serão responsáveis por divulgar conhecimento de qualidade.

 

Alguns links interessantes:

  1. Vídeo do Professor Jorge Quillfeldt no congresso da Liga Humanista Secular: http://www.bulevoador.com.br/2015/03/ciencia-e-humanismo/
  2. Entende-se por tecnologia tudo aquilo que é desenvolvido com base em conhecimento produzido previamente, criando uma sistematização de uso. Em ciências humanas, as tecnologias geralmente são ações planejadas.
  3. SLATER, L. Mente e Cérebro: Dez experiências impressionantes sobre o comportamento humano. Rio de Janeiro: Ediouro, 2004.
  4. MARTURANO, Edna Maria; SILVARES, Edwiges Ferreira de Mattos; OLIVEIRA, Margareth da Silva. Serviços-escola de psicologia: seu lugar no circuito de permuta do conhecimento. Temas em psicologia,  Ribeirão Preto ,  v. 22, n. 2, p. 457-470, dez.  2014 . Disponível: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-389X2014000200016
  5. Entrevista com Brian Nosek sobre a replicabilidade na psicologia (em português) http://scienceblogs.com.br/socialmente/2012/06/psicologia-acordando-para-ciencia-aberta/
  6. Vídeo do Pirula sobre “A desculpa do entretenimento”: https://www.youtube.com/watch?v=PtFd97xm3gE