O que as pessoas pensam do psicólogo

Por: Guilherme Silveira

A Psicologia tem se consolidado cada vez mais como uma área importante quando falamos de saúde, principalmente no que diz respeito à saúde mental. Juntamente com sua importância, surgem vários rótulos, muitos equivocados, que lhe são empregados e que a cada dia os profissionais desta área do conhecimento tentam desconstruir, para que assim consiga-se consolidar a Psicologia como uma ciência, deixando de lado às práticas e métodos que fogem do rigor científico e buscando sua validação por meio de práticas testadas e comprovadas. Sendo assim, iremos contextualizar, ainda que de forma breve, como surgiu e se desenvolveu a Psicologia no Brasil, assim como qual é a representação social do Psicólogo no cenário brasileiro.

A Psicologia por muitos anos teve seu conhecimento estritamente ligado aos da prática de outras disciplinas, como a sociologia, filosofia, direito, teologia, pedagogia e principalmente a medicina. Somente a partir do início do século XIX a Psicologia começou a ter sua autonomia no cenário nacional, começando então a ser ensinada na Faculdade de Direito de São Paulo. Após diversas lutas pela regulamentação da profissão de Psicólogo, no ano de 1953 surge o primeiro curso superior de Psicologia no Brasil, sendo realizado na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Já no ano de 1962, por intermédio da lei n° 4119, a Psicologia e os cursos de graduação passam a serem regulamentados em nosso país, caracterizando assim a Psicologia como profissão e um grande passo para classe profissional [1].

Agora que compreendemos um pouco como surgiu e se regulamentou a Psicologia no Brasil, podemos nos perguntar, qual a verdadeira função de um Psicólogo? Pois bem, lembro-lhes que o objetivo principal deste texto não é problematizar ou discutir qual é a prática do Psicólogo, mas procurar identificar qual é o papel do Psicólogo na perspectiva da sociedade. Para tal feito nos basearemos em pesquisas que abordam a representação social do Psicólogo. A teoria das representações sociais é datada de 1950 e tem como criador Serge Moscovici. Para o criador desta teoria, as representações sociais são basicamente tudo aquilo que é construído em experiências coletivas ou individuais e que após essas experiências acabam se tornando uma forma de estereótipo a respeito de algo [2]. Um exemplo clássico, dentro da nossa discussão, é quando muitas pessoas dizem que o Psicólogo ‘cuida de gente louca’. As representações sociais são comumente construídas a partir de informações que são repassadas de diversas maneiras, entre as mais comuns estão às informações repassadas pelas mídias (televisão, rádio, jornais e redes sociais) e por informações repassadas através de gerações por intermédio de mitos e simples conversas que relatam experiências subjetivas [2].

Uma pesquisa realizada no estado do Rio Grande do Sul apontou que para grande parte dos entrevistados a prática do Psicólogo é a de ajudar e orientar pessoas com problemas emocionais [3]. Em outra pesquisa realizada com acadêmicos de cursos de exatas de uma clínica escola também no Rio Grande do Sul, 57% dos acadêmicos responderam que tem a representação social do Psicólogo como a de alguém que estuda a mente, compreende o comportamento e trata de pessoas que possuem algum tipo de doença mental [2]. Outra característica encontrada na mesma pesquisa é a de que o Psicólogo é aquele que tem o ‘dom’ de saber ouvir, de ter paciência, de entender as pessoas e saber se posicionar de forma neutra com relação aos mais diversos assuntos [2]. Ainda de acordo com os entrevistados, o Psicólogo tem uma atuação mais voltada para clínica e centros psiquiátricos, caracterizando assim o aspecto mencionado anteriormente de trabalhar com pessoas que possuem doenças mentais. Diante de tantas representações equivocadas ou falta de conhecimento sobre o fazer do Psicólogo, o que podemos fazer para transformar essa realidade? Como acabar com o rótulo de ‘cuidador de loucos’? E como fazer para que a sociedade veja a Psicologia além das práticas clínicas tradicionais?

Pois bem, muitas perguntas surgem e poucas respostas são encontradas efetivamente em prática. Discutir a atuação do Psicólogo e qual a representação social dos mesmos é algo muito mais complexo do que imaginamos. Devemos levar em consideração que muitas dessas representações sociais estão relacionadas estritamente ao momento político, histórico e econômico no qual nos encontramos. O certo é que para haver uma representação social correta do papel do Psicólogo necessita-se de uma grande mudança por parte dos próprios Psicólogos, desde lutar por seus direitos, se posicionar de uma forma crítica e correta com relação ao seu fazer, respeitando assim a ética da sua profissão e comprometendo-se com o bem estar social, a divulgação correta do conhecimento científico produzido pela Psicologia e instruindo de forma correta qual o fazer do Psicólogo nos seus mais diversos campos de atuação.

Referências:

[1] LISBOA, Felipe Stephan; BARBOSA, Altemir José Gonçalves. Formação em Psicologia no Brasil: Um Perfil dos Cursos de Graduação. Psicologia: Ciência e Profissão, Brasília, v. 29, n. 4, p. 718-737, 2009. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932009000400006> Acesso em: 17 Abr. 2016.

[2] LAHM, Camila Roberta; BOECKEL, Mariana Gonçalves. Representação Social do Psicólogo em uma Clínica-Escola do Município de Taquara/RS. Contextos Clínicos, São Leopoldo, v. 1, n. 2, p. 79-92, dez. 2009. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1983-34822008000200004&lng=pt&nrm=iso> Acesso em: 17 Abr. 2016.

[3] PRAÇA, Kátia Botelho Diamico; NOVAES, Heliane Guimarães Vieites. A Representação Social do Trabalho do Psicólogo. Psicologia: Ciência e Profissão, Brasília, v. 24, n. 2, p. 32-47, jun. 2004. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932004000200005&lng=pt&nrm=iso> Acesso em: 17 Abr. 2016.