Metodologia colaborativa na educação: conceito e vantagens

Por Aline Marques

O método colaborativo é uma transformação na forma de agir e se posicionar no processo ensino/aprendizagem, corresponde a uma atividade em que os participantes compartilham suas dificuldades e conhecimentos, se enriquecendo mutuamente [1]. O método pode-se definir como interação social, onde não é apenas o compartilhamento de conhecimento que é a característica principal, mas também o envolvimento de todos na construção e manutenção do conhecimento, originado da interação participativa de todos os envolvidos na atividade colaborativa [1].

A aprendizagem colaborativa é uma metodologia de aprendizagem, pois por meio do trabalho em grupo e pela troca entre os pares, as pessoas envolvidas no processo aprendem juntas [2]. Não há dados que comprovem quando se iniciou a ideia de reunir indivíduos a favor de um objetivo em comum, entretanto, sabe-se que o trabalho em equipe é um método antigo e utilizado desde o homem pré-histórico.

No ambiente escolar, muitos professores favorecem o trabalho em equipe, entretanto, o sistema escolar atual exige notas e avaliações individuais para chegar à aprovação e reprovação dos alunos. Dentro das salas de aula pode ser um tanto quanto difícil fazer com que os alunos trabalhem em equipe. Uma porque em muitos casos os alunos se preocupam com notas, por isso em um trabalho grupal o aluno que sabe mais acaba fazendo a maior parte do trabalho para “ajudar” os outros, já que talvez sua preocupação é que o colega tire boas notas.

Muitos professores buscam mudanças no contexto escolar, tentando realizar mais interações entre os alunos. A interação é como um apoio, pois imprime um caráter de coletividade para a própria realidade do ensino, na qual a dinâmica didática apresentará uma ação efetiva e concreta entre os protagonistas do processo ensino aprendizagem [1].

Fazer com que os alunos se envolvam em uma atividade entre si que permitam manifestar, concordar ou discordar, acrescentar, refutar afirmações em um espaço como ambiente de aprendizagem permite-nos analisar a perspectiva da concepção de aprendizagem envolvida em tal processo [1]. Todos os alunos envolvidos na aprendizagem colaborativa são automaticamente responsáveis por seu progresso, progresso do seu grupo ou até mesmo no fracasso, num relacionamento solidário e sem hierarquias. Cria-se então a responsabilidade entre os alunos mostrando que a culpa do fracasso nem sempre é só do professor [2].

 

Referências:

 

SILVA, Vitor de Almeida. A aprendizagem Colaborativa como método de apropriação do conhecimento químico em sala de aula. 2011. 144 f. Dissertação (Mestrado) – Curso de Mestrado em Educação em Ciências e Matemática, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2011. Disponível em: <https://mestrado.prpg.ufg.br/up/97/o/Dissertação_-_Vitor_de_Almeida_Silva.pdf?1332271839>. Acesso em: 26 mar. 20017.

 

TORRES, P. L. Laboratório on-line de aprendizagem: uma experiência de aprendizagem colaborativa por meio do ambiente virtual de aprendizagem. UNICAMP, Campinas, v. 27, n. 73, p. 335-352, set./dez. 2007.

 

#BBB18 está para Big Brother ou Big Enemy?

Por Aline Marques

Muitos utilizam o termo “irmão” para um amigo ou uma pessoa muito especial. Os “irmãos” participantes do jogo, na verdade são rivais e acabam utilizando a “irmandade” como tática de jogo. Fazendo um comparativo com a realidade humana, muitas pessoas agem desta forma, mesmo não participando de um jogo típico. O “jogo” é a própria vida, e os laços de amizade podem servir de auxílio para muitas coisas como aumentar a credibilidade, melhorar o status social, conseguir um emprego, conquistar alguém, enfim. O fato é que dentro ou fora de um programa televisivo percebemos que as pessoas por vezes aproveitam da amizade para conseguir algo. Ou pior, “forçam” uma amizade para conseguir o que almejam.

A maioria dos participantes do Big Brother, relatam que mostram para o Brasil e para seus “amigos da casa” quem realmente são, que não precisam esconder nada de ninguém. Entretanto, mesmo entre os amigos mais próximos (close friends), ou para a família, a exposição do “eu verdadeiro” não é tão fácil assim[1].

A amizade é um relacionamento pessoal e voluntário, que propicia intimidade e ajuda, no qual as duas partes gostam uma da outra, buscam a companhia uma da outra sem interesses pessoais capazes de prejudicar a outra parte[2]. O que evidentemente não é o caso deste programa em específico.

Especificamente nesta edição do Big Brother Brasil (BBB18), existe uma família como participantes do jogo e moradores da casa (Família Lima). Esta família trouxe ao BBB18 grandes repercussões. Uma delas foi “o beijo de pai e filha” (Ana Clara e Ayrton). Percebe-se no pai, o comportamento de superproteção e Ana Clara demonstra-se muito passiva e obediente ao pai, mostra-se irritada apenas longe da presença dele. A superproteção permanente é certamente um limitador da liberdade e do desenvolvimento da autonomia, assim acaba-se obedecendo ao que lhe é pedido[3]. Hipoteticamente falando, esta superproteção pode ser a estratégia que Ayrton tem para vencer no jogo e garantir que esteja a frente de sua filha, a frase em que pode vir ao encontro desta hipótese é dita pelo próprio Ayrton para outro jogador (Mahmoud) “Minha maior rival aqui dentro é minha filha” (dita em 24/02/2018).

Dentro ou fora da televisão, são inúmeros comportamentos humanos a serem analisados e/ou estudados. O ser humano se comporta de diferentes maneiras em diferentes contextos com diferentes pessoas, e isso além de ser incrível, por vezes é cômico. Dá sim para aprender com o Big Brother, muitos criticam alguns dos participantes do BBB, entretanto não se dão conta que se comportam da mesma maneira “aqui fora”.

Observação: “Grande Irmão”, é uma referência ao livro “1984”, no qual a sociedade é comandada por uma figura criada como o símbolo de um governo totalitário. Nessa distopia, o grande irmão observa e vigia a todos em todos os lugares da cidade e da casa das pessoas, impedindo que hajam pensamentos contrários ao regime ou alianças políticas para depor o regime. Neste texto a autora aproveitou a tradução literal do nome para crítica pessoal.

Referências

[1] REZENDE, Claudia Barcellos. Mágoas de amizade: um ensaio em antropologia das emoções. Mana,  Rio de Janeiro ,  v. 8, n. 2, p. 69-89,  Oct.  2002 .   Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-93132002000200003&lng=en&nrm=iso>. access on  25  Feb.  2018.  http://dx.doi.org/10.1590/S0104-93132002000200003.

[2] SOUZA, Luciana Karine de; HUTZ, Claudio Simon. Relacionamentos pessoais e sociais: amizade em adultos. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 13, n. 2, p.257-265, jun. 2008. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/pe/v13n2/a08v13n2>. Acesso em: 25 fev. 2018.

[3] KUNSCH, Clarice Krohling. Excesso de atividades, consumo e superproteção: possíveis fatores de tédio em crianças. Revista Veras, São Paulo, v. 4, n. 1, p.99-115, jun. 2014. Disponível em: <http://site.veracruz.edu.br/instituto/revistaveras/index.php/revistaveras/article/view/157/125>. Acesso em: 25 fev. 2018.

O TREINO DE HOJE #TÁPAGO: DÍVIDA COM QUEM?

Se o treino foi pago, é uma dívida? E, se for dívida, é com quem? A pergunta é simples, mas as respostas não.

Por: Fabiane Maria Schaefer Baron
Maísa Hodecker

A expressão “tá pago” está sendo utilizada constantemente entre os praticantes de atividades físicas. Normalmente, as pessoas utilizam a hashtag (#tapago) em fotos capturadas após algum treino ser finalizado, com a intenção de divulgar que todas as atividades físicas programadas para aquele treino foram realizadas com sucesso. Contudo, fica a reflexão: se o treino foi pago, é uma dívida? E, se for dívida, é com quem? A pergunta é simples, mas as respostas não. Dívida é alguma pendência, algo que está a haver com alguém. Neste caso, a dívida pode ser com a saúde, com a sociedade, com a mídia, consigo mesma, etc. Embora possam haver diversos fatores atrelados a essa dívida, se a pessoa precisa “pagar” para fazer algo, pode estar realizando o exercício errado.

Isto se justifica já que o exercício deve proporcionar bem-estar, prazer e qualidade de vida. Quando praticar o exercício passa a ser algo “pago”, maçante e tedioso, torna-se necessário modificar o treino ou o próprio exercício, para que a pessoa resgate a vontade de praticar exercício e não se sinta na obrigação de finalizar, mas finalize por questões de satisfação pessoal. Além disso, seria benéfico conversar informalmente com o praticante de exercício físico, buscando reconhecer que exercício ou treino mais se sente confortável em realizar e identificar quais os motivos associados a prática esportiva. Outro fator preponderante para a satisfação do indivíduo é o modo como o exercício ou treino é encaminhado e direcionado, isto é, o modo como o treinador ou professor está lidando com o praticante de exercício[1].

Todo praticante de exercício possui algum objetivo final. Uns pretendem ganhar massa muscular, outros perder gordura, outros melhorar o condicionamento físico, outros por questões pertinentes a saúde, mas todos possuem algum intuito. O papel do treinador/professor é acompanhar, orientar, instruir, visando o progresso do aluno até que sejam, enfim, alcançadas as metas e o objetivo final. No decorrer desse trajeto, é relevante que o treinador/professor esteja ciente de sua postura e expressões diante dos sucessos e fracassos de seus alunos. Aconselha-se uma postura neutra, sem privilegiar mais um do que outro, mas que reconheça quando o aluno conseguiu atingir uma meta ou objetivo e que também reconheça a luta de algum aluno mesmo diante de algum fracasso[2].

Acredita-se que esses fatores são apenas alguns que podem favorecer o treino ou a prática de exercício físicos para deixar de ser “uma dívida” extremamente desgastante para ser um fator associado ao bem-estar físico e psicológico. Assim, a motivação deve ser avaliada no contexto esportivo, os exercícios programados para cada aluno/atleta devem estar equiparados ao seu nível de motivação. Alunos extremamente motivados podem decair diante de algum fracasso ou de alguma expectativa não suprida. Para eles, é aconselhável criar um treino regular e com exercícios moderados, e aumentar o nível de dificuldade gradualmente. Já alunos com baixa motivação necessitam de exercícios que sejam de sua preferência, com acréscimo gradual de exercícios com maior dificuldade de realização. Dessa forma, a cada acerto ou a cada ganho relacionado ao exercício o nível de motivação do aluno poderá aumentar proporcionalmente[2].

Portanto, acredita-se que o constante uso da hashtag “tá pago” está atrelado a falta de motivação e/ou realização pessoal para realizar a prática esportiva ou determinados treinos. Modificar os treinos, a atividade física, o horário e duração dos treinos, bem como a própria postura do treinador/professor podem favorecer para que o treino seja mais prazeroso[2]. Ressalta-se que a expressão pode comunicar uma dívida para com outrem, como mídia, sociedade, como para consigo e para melhorar a saúde. Entretanto, as premissas apontam não são cabíveis de generalização, levando em conta que diversas pessoas podem fazer o uso da referida expressão mas sentirem-se confortáveis e realizadas pós-treino.

REFERÊNCIAS

[1] RUBIO, Katia. A psicologia do esporte: histórico e áreas de atuação e pesquisa. Psicologia: Ciência e Profissão, Brasília, v. 19, n. 3, p. 60-69, 1999. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98931999000300007&lng=en&nrm=iso>. Acessos em: 29 Jan. 2018.

[2] WEINBERG, Robert S.; GOULD, Daniel. Fundamentos da psicologia do esporte e do exercício. 4. ed. Porto Alegre: Artmed, 2008.

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA SOCIEDADE    

Por: Patrícia Zogbi

Esse texto busca elucidar o papel do psicólogo na sociedade. Esse conteúdo fora desenvolvido para o grande público, afim de que se entenda o fazer do Psicólogo. Para que se compreenda melhor a prática dessa profissão, convido você, caro leitor, a realizar a seguinte pergunta norteadora: “Qual a importância da atuação do psicólogo na sociedade?”.

Primeiro deve-se esclarecer que o Psicólogo busca auxiliar o indivíduo a se compreender, podendo trabalhar a relação do mesmo com a sua história, suas expectativas para o futuro, bem como suas relações sociais. Contudo, deve-se frisar que tal compreensão partirá do indivíduo, cabendo ao psicólogo o papel de mediador desse processo. É de suma importância quebrar o pensamento errôneo de que um indivíduo só deve procurar a ajuda de um psicólogo quando está em estado de “loucura”, tal visão não é verídica, pois o papel do Psicólogo na sociedade é justamente de promoção e prevenção na saúde.

Sendo assim, pensemos na seguinte situação: No contexto sócio-econômico atual o nível de exigência das organizações aumentou, como consequência para tal situação, as pessoas passaram a trabalhar freneticamente, buscando alcançar tais exigências, além disso, há um esforço para que se atenda os padrões sociais ditos “normais”. A partir da situação exposta, deve-se entender que é comum em algumas pessoas o surgimento de sintomas, como por exemplo, ansiedade e estresse, essas situações são comuns, a diferença é como cada indivíduo irá lidar com elas. Dessa forma, deve-se compreender que o Psicólogo irá olhar para o indivíduo de forma integral, em sua dimensão biopsicossocial, ou seja, compreender o sujeito em sua dimensão biológica, psicológica e social, auxiliando o mesmo na busca por se compreender, ao mesmo tempo que atentará para o contexto que esse sujeito está inserido, bem como para as suas relações sociais. Deve-se ter em mente também que o psicólogo lidará com um sujeito concreto, inserido numa realidade sócio-histórica-cultural, tendo no cotidiano seu espaço vital³.

Com base nessas informações, deve-se frisar que a conscientização/compreensão do sujeito, não consiste em uma simples mudança de opinião sobre a realidade, tampouco na mudança da subjetividade. Mas então, do que se trata a conscientização do indivíduo? trata-se de uma mudança de sua relação com o meio e com os demais, pois não há saber transformador da realidade que não envolva uma mudança de relações.

Sendo assim, o horizonte da psicologia na sociedade deve ser a conscientização, auxiliando o indivíduo a chegar a um saber crítico sobre si e sobre a sua realidade¹. Como consequência, assume-se o trabalho de desalienação do sujeito. Entende-se por alienação um fator limitador para o sujeito, por exemplo: em uma classe social mais oprimida economicamente, a alienação aparecerá como carência em termos de trabalho, saúde e educação². Portanto, o psicólogo irá agir no sentido de eliminar ou controlar aqueles mecanismos que bloqueiam a consciência da identidade pessoal¹. Dessa forma, o fazer do psicólogo não pode limitar-se ao plano abstrato do individual, mas deve confrontar também os fatores  sociais onde se materializa toda individualidade humana.

Por fim, lembro-lhes que só a percepção da realidade pode possibilitar a mudança². Pode parecer viável para muitos o fazer pelo fazer, atentando somente para o sintoma e não para o sujeito em sua integralidade. Pode parecer também, que a técnica esteja sendo invadida por considerações inoportunas e alheias à técnica², mas constituem paradoxalmente seu mais importante significado.

Cabe ao psicólogo na sociedade o papel de desmistificador, pois se ele busca a mudança do indivíduo, não pode deixar de fora toda situação que o conduziu até ali. Sendo assim, a função do psicólogo na sociedade é dar voz e vez para o sujeito em sofrimento, afinal, não se pode mais navegar impunemente no mar da indiferença.

REFERÊNCIAS

¹BARÓ, Ignácio Martin. O Papel do Psicólogo. Estudos de Psicologia, Natal, v. 2, p. 727, 1997. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413 294X1997000100002&script=sci_abstract&tlng=pt>. Acesso em: 12 abr. 2016.

²SELL, Tereza. Função Social do Psicólogo. Revista de Ciências Humana, Florianópolis, v. 1, n.1, p. 86-91, s/d. Disponível em <https://periodicos.ufsc.br/index.php/revistacfh/article/view/23715/21294>. Acesso em: 12 abr. 2016.

³SILVA, Janaína Vilares; CORGOZINHO, Juliana Pinto. Atuação do psicólogo, SUAS/CRAS e Psicologia Social Comunitária: possíveis articulações. Psicologia e Sociedade, Florianópolis, v. 23, p. 12-21, mai 2011. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.phpscript=sci_arttext&pid=S01027182201100040000>. Acesso em: 12 abr. 2016.

 

O que as pessoas pensam do psicólogo

Por: Guilherme Silveira

A Psicologia tem se consolidado cada vez mais como uma área importante quando falamos de saúde, principalmente no que diz respeito à saúde mental. Juntamente com sua importância, surgem vários rótulos, muitos equivocados, que lhe são empregados e que a cada dia os profissionais desta área do conhecimento tentam desconstruir, para que assim consiga-se consolidar a Psicologia como uma ciência, deixando de lado às práticas e métodos que fogem do rigor científico e buscando sua validação por meio de práticas testadas e comprovadas. Sendo assim, iremos contextualizar, ainda que de forma breve, como surgiu e se desenvolveu a Psicologia no Brasil, assim como qual é a representação social do Psicólogo no cenário brasileiro.

A Psicologia por muitos anos teve seu conhecimento estritamente ligado aos da prática de outras disciplinas, como a sociologia, filosofia, direito, teologia, pedagogia e principalmente a medicina. Somente a partir do início do século XIX a Psicologia começou a ter sua autonomia no cenário nacional, começando então a ser ensinada na Faculdade de Direito de São Paulo. Após diversas lutas pela regulamentação da profissão de Psicólogo, no ano de 1953 surge o primeiro curso superior de Psicologia no Brasil, sendo realizado na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Já no ano de 1962, por intermédio da lei n° 4119, a Psicologia e os cursos de graduação passam a serem regulamentados em nosso país, caracterizando assim a Psicologia como profissão e um grande passo para classe profissional [1].

Agora que compreendemos um pouco como surgiu e se regulamentou a Psicologia no Brasil, podemos nos perguntar, qual a verdadeira função de um Psicólogo? Pois bem, lembro-lhes que o objetivo principal deste texto não é problematizar ou discutir qual é a prática do Psicólogo, mas procurar identificar qual é o papel do Psicólogo na perspectiva da sociedade. Para tal feito nos basearemos em pesquisas que abordam a representação social do Psicólogo. A teoria das representações sociais é datada de 1950 e tem como criador Serge Moscovici. Para o criador desta teoria, as representações sociais são basicamente tudo aquilo que é construído em experiências coletivas ou individuais e que após essas experiências acabam se tornando uma forma de estereótipo a respeito de algo [2]. Um exemplo clássico, dentro da nossa discussão, é quando muitas pessoas dizem que o Psicólogo ‘cuida de gente louca’. As representações sociais são comumente construídas a partir de informações que são repassadas de diversas maneiras, entre as mais comuns estão às informações repassadas pelas mídias (televisão, rádio, jornais e redes sociais) e por informações repassadas através de gerações por intermédio de mitos e simples conversas que relatam experiências subjetivas [2].

Uma pesquisa realizada no estado do Rio Grande do Sul apontou que para grande parte dos entrevistados a prática do Psicólogo é a de ajudar e orientar pessoas com problemas emocionais [3]. Em outra pesquisa realizada com acadêmicos de cursos de exatas de uma clínica escola também no Rio Grande do Sul, 57% dos acadêmicos responderam que tem a representação social do Psicólogo como a de alguém que estuda a mente, compreende o comportamento e trata de pessoas que possuem algum tipo de doença mental [2]. Outra característica encontrada na mesma pesquisa é a de que o Psicólogo é aquele que tem o ‘dom’ de saber ouvir, de ter paciência, de entender as pessoas e saber se posicionar de forma neutra com relação aos mais diversos assuntos [2]. Ainda de acordo com os entrevistados, o Psicólogo tem uma atuação mais voltada para clínica e centros psiquiátricos, caracterizando assim o aspecto mencionado anteriormente de trabalhar com pessoas que possuem doenças mentais. Diante de tantas representações equivocadas ou falta de conhecimento sobre o fazer do Psicólogo, o que podemos fazer para transformar essa realidade? Como acabar com o rótulo de ‘cuidador de loucos’? E como fazer para que a sociedade veja a Psicologia além das práticas clínicas tradicionais?

Pois bem, muitas perguntas surgem e poucas respostas são encontradas efetivamente em prática. Discutir a atuação do Psicólogo e qual a representação social dos mesmos é algo muito mais complexo do que imaginamos. Devemos levar em consideração que muitas dessas representações sociais estão relacionadas estritamente ao momento político, histórico e econômico no qual nos encontramos. O certo é que para haver uma representação social correta do papel do Psicólogo necessita-se de uma grande mudança por parte dos próprios Psicólogos, desde lutar por seus direitos, se posicionar de uma forma crítica e correta com relação ao seu fazer, respeitando assim a ética da sua profissão e comprometendo-se com o bem estar social, a divulgação correta do conhecimento científico produzido pela Psicologia e instruindo de forma correta qual o fazer do Psicólogo nos seus mais diversos campos de atuação.

Referências:

[1] LISBOA, Felipe Stephan; BARBOSA, Altemir José Gonçalves. Formação em Psicologia no Brasil: Um Perfil dos Cursos de Graduação. Psicologia: Ciência e Profissão, Brasília, v. 29, n. 4, p. 718-737, 2009. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932009000400006> Acesso em: 17 Abr. 2016.

[2] LAHM, Camila Roberta; BOECKEL, Mariana Gonçalves. Representação Social do Psicólogo em uma Clínica-Escola do Município de Taquara/RS. Contextos Clínicos, São Leopoldo, v. 1, n. 2, p. 79-92, dez. 2009. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1983-34822008000200004&lng=pt&nrm=iso> Acesso em: 17 Abr. 2016.

[3] PRAÇA, Kátia Botelho Diamico; NOVAES, Heliane Guimarães Vieites. A Representação Social do Trabalho do Psicólogo. Psicologia: Ciência e Profissão, Brasília, v. 24, n. 2, p. 32-47, jun. 2004. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932004000200005&lng=pt&nrm=iso> Acesso em: 17 Abr. 2016.

O fazer em Psicologia na atualidade

Por: Ricardo F. de Oliveira

“Você faz psicologia!? Isso é para gente meio doida;  Nossa, você vai cuidar de gente louca; Ser psicólogo é fácil, ganha dinheiro só escutando os outros.”

 

Qual o estudante de psicologia ou psicólogo formado que nunca ouviu algum comentário deste tipo? Não é comum o psicólogo ser estereotipado como aquele indivíduo que trabalha em uma clínica e trata apenas da loucura?

A Psicologia é uma ciência nova quando comparada a outras ciências, possuindo pouco mais de 115 anos desde sua criação. Seu objeto de estudo é o comportamento humano. No Brasil, a profissão de psicólogo é reconhecida por lei desde o ano de 1962, e tem sua prática regulamentada pelo Conselho Federal de Psicologia, de acordo com a resolução nº 02/1987, o qual institui o código de ética do psicólogo. Durante todos esses anos a Psicologia cresceu muito como ciência e como profissão, mesmo assim, a sociedade ainda possui uma noção errada do que o psicólogo realmente faz, onde ele atua e qual seu papel na sociedade.

É comum que as pessoas, quando questionadas acerca do trabalho do psicólogo, citem a clínica, um divã, e um psicólogo que nada faz além de escutar. A imagem deste modelo por si só não é acurada, pois mesmo enquanto clínica, o trabalho do psicólogo vai muito além da escuta[1]. A construção científica em Psicologia nos permite um fazer muito amplo no que diz respeito a atuação, possibilitando ao psicólogo trabalhar em praticamente todas as áreas da sociedade, seja na educação, na saúde, nas organizações, e em qualquer âmbito onde houverem pessoas, pois onde há pessoas, há demandas para a Psicologia[2].

Atualmente, os psicólogos estão inseridos nos meios mais diversos, sendo o de maior destaque a saúde. Neste meio, o psicólogo atua em clínicas, hospitais, centros de atenção psicossocial, e em várias outras instituições públicas e privadas, colaborando com outros profissionais na prevenção de doenças e promoção de saúde[2]. A presença do psicólogo também se faz necessária em lugares afetados por desastres naturais, onde ele exercerá um papel muito importante tanto no acolhimento das vítimas, como nas ações preventivas, buscando preparar a sociedade para enfrentar possíveis desastres[3].

Na educação, a Psicologia tem um papel muito importante, pois atua de forma interdisciplinar com os professores e pedagogos, auxiliando direta e indiretamente na educação, nas formas de educar e na busca incessante pela democratização da educação, valorizando não apenas o ensinar, mas também os aspectos subjetivos do estudante e em como isso influencia no processo ensino-aprendizagem. Não obstante, a contribuição teórica da Psicologia no âmbito educacional é marcante, influenciando diretamente as formas de ensinar e aprender[4].

Nas organizações o papel do psicólogo é fundamental tanto para o trabalhador como para instituição onde ele está inserido, pois além dos processos de recrutamento e seleção, o psicólogo atua na promoção de saúde e prevenção de doenças que têm sua gênese nos processos laborais, influenciando direta e indiretamente neste processo, facilitando o alcance dos interesses do trabalhador e da instituição[5].

O papel da Psicologia, apesar de atualmente mais difundido nestas três áreas, às extrapola. Os conhecimentos construídos através de inúmeras pesquisas que abrangem as mais diversas áreas afetam outros fazeres, como a arquitetura, a moda, a administração, o direito, enfim, fazeres que direta ou indiretamente envolvem pessoas, vivências e experiências [5,6,7,8].

A Psicologia exerce um papel central no meio científico e social, pois seus saberes afetam ambos os meios e oferecem subsídios para a fundamentação de inúmeras práticas, os quais, acima de tudo, buscam colaborar para a promoção da saúde, a valorização da subjetividade e a proteção dos direitos humanos.

Referências

[1]LEME, Maria Alice Vanzolini da Silva; BUSSAB, Vera Silvia Raad; OTTA, Emma. A representação social da Psicologia e do psicólogo. Psicol. cienc. prof.,  Brasília ,  v. 9, n. 1, p. 29-35, 1989. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98931989000100009&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 16 abr. 2016.

[2]BASTOS, Antônio Virgílio Bittencourt; GOMIDE, Paula Inez Cunha. O psicólogo brasileiro: sua atuação e formação profissional. Psicol. cienc. prof.,  Brasília ,  v. 9, n. 1, p. 6-15, 1989 . Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98931989000100003&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 16  abr. 2016.

[3]ALVES, Roberta Borghetti; LACERDA, Márcia Alves de Camargo; LEGAL, Eduardo José. A atuação do psicólogo diante dos desastres naturais: uma revisão. Psicol. estud.,  Maringá ,  v. 17, n. 2, p. 307-315, June  2012. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-73722012000200014&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 16 abr.  2016.

[4]DAZZANI, Maria Virgínia Machado. A psicologia escolar e a educação inclusiva: Uma leitura crítica. Psicol. cienc. prof.,  Brasília ,  v. 30, n. 2, p. 362-375, jun.  2010. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932010000200011&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em 16  abr.  2016.

[5]BASTOS, Antônio Virgilio Bittencourt; GALVAO-MARTINS, Ana Helena Caldeira. O que pode fazer o psicólogo organizacional. Psicol. cienc. prof.,  Brasília ,  v. 10, n. 1, p. 10-18, 1990. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98931990000100005&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 16  abr.  2016.

[6]ELALI, Gleice Azambuja. Psicologia e Arquitetura: em busca do locus interdisciplinar. Estud. psicol. (Natal), Natal , v. 2, n. 2, p. 349-362, Dez. 1997.   Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-294X1997000200009&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 18  abr. 2016.

[7]FLUGEL, John Carl. Sobre o valor afetivo das roupas. Psyche (São Paulo),  São Paulo, v. 12, n. 22, p. 13-26, jun. 2008. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-11382008000100002&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em:  18  abr.  2016.

[8]LAGO, Vivian de Medeiros et al . Um breve histórico da psicologia jurídica no Brasil e seus campos de atuação. Estud. psicol. (Campinas),  Campinas ,  v. 26, n. 4, p. 483-491, Dez.  2009. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-166X2009000400009&lng=en&nrm=iso>. Acesso em:  18  abr.  2016.

Afinal, o que é Psicologia?

Por: Bruno Kern

Não é de hoje que se discute sobre “o que é Psicologia” ou então sobre a atuação do psicólogo. Em uma pesquisa de 1984, da Doutora Ana Maria Almeida Carvalho[1], já se pensava sobre esses aspectos que, visivelmente, tinham uma preocupação com o tipo de profissional que estaria se formando nas universidades. Mas, se a três décadas este assunto já era fomentado e pesquisado, como está a atual situação da psicologia e sua atuação?

Indiscutivelmente, um dos grandes problemas enfrentados pela psicologia é a questão de existir diferentes abordagens que sustentam o fazer da psicologia, sua visão de homem e mundo e suas técnicas terapêuticas. Em sua pesquisa bibliográfica, Dazzani[2] apresenta estes problemas vinculados a atuação dos profissionais na escola e apontam que, tanto a diferença de abordagens como a situação da psicologia em relação à história dela no Brasil, deixam a sociedade inquieta sobre o fazer do psicólogo. Isto representa um desafio a ser enfrentado para poder explicar  qual  é realmente o papel da psicologia no contexto de hoje.

É interessante ressaltar que, mesmo com tantas divergências no fazer em psicologia, o Conselho Federal de Psicologia dispõe aos profissionais da área o Código de Ética Profissional do Psicólogo[3], onde todos têm acesso às principais características do fazer psicologia, como os procedimentos éticos e a responsabilidade que o psicólogo deve ter para com a comunidade em geral e para com os indivíduos que estão em psicoterapia. Fazer o qual, segundo o código, é pautada nos Direitos Humanos, atentando para a dignidade e liberdade, tanto individual quanto coletiva, buscando sempre informar sobre os procedimentos e contribuir com cientificidade para toda a sociedade.

Há também outros autores que ressaltam o que a psicologia tem para nos oferecer hoje, como é o caso do Tourinho[4], que em seu artigo “A Produção de Conhecimento em Psicologia: análise do comportamento” de 2003, traz uma noção mais coerente sobre “O que é a Psicologia”. Para definir este conceito de Psicologia, Tourinho[4] utiliza-se principalmente de que a Psicologia é a relação entre uma busca por conhecimento científico aplicável, ou seja, pesquisas científicas que auxiliarão a atuação do psicólogo e também, não menos importante, discussões filosóficas sobre a sociedade, sobre como podemos relacionar as situações encontradas nas pesquisas científicas com os problemas do dia-a-dia e que, tudo isto, esteja voltado para melhor compreender o ser humano e auxiliar nos problemas que se apresentam.

Mais recentemente, no livro da Dr. Ana M. Bahia Bock[5], a autora relata nos seus primeiros capítulos a conflituosa definição de Psicologia e reforça que este problema é dado pelas inúmeras escolas psicológicas que divergem em base teórica, objeto de estudo e técnicas. Porém, a autora traz um conceito que explica muito bem o objetivo da Psicologia no âmbito geral,  o conceito da subjetividade. Sendo o objeto de estudo o ser humano, a psicologia entende que o ser humano é dotado de vários aspectos que o identificam como tal, sendo tanto seus contatos sociais, suas crenças, seus gostos, seus sentimentos, seus comportamentos visíveis, e todas as interações de sua vida.

Estas interações constituem a subjetividade do ser humano, e a Psicologia baseia-se nesta subjetividade para trabalhar e pesquisar cientificamente sobre as dúvidas e paradigmas do dia-a-dia, como por exemplo “Eu sou assim porque meus pais me criaram assim?”,  para tentar melhor compreender o seu objeto de estudo, o ser o humano.

Referências:

[1] CARVALHO, Ana Maria Almeida. “Atuação psicológica”. Psicol. cienc. prof.,  Brasília ,  v. 4, n. 2, p. 7-9,    1984. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98931984000200003&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 15  Abril de 2016.

[2] DAZZANI. Maria V. M. A psicologia escolar e a educação inclusiva: uma leitura crítica. Psic. Ciên. Prof. Bahia. 362-375. 2010 Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932010000200011> Acesso em: 15 Abril de 2016

[3] BRASIL, Código de ética (010/2005). Código de Ética Profissional do Psicólogo. Aprovado em 21 de julho de 2005. Documento Online, disponível em: http://site.cfp.org.br/wp-content/uploads/2012/07/codigo-de-etica-psicologia.pdf. Acesso em: 06/05/2016.

[4] TOURINHO, Emmanuel Zagury. A produção de conhecimento em psicologia: a análise do comportamento. Psicol. cienc. prof., Brasília ,  v. 23, n. 2, p. 30-41,  jun. 2003. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932003000200006&lng=pt&nrm=iso>. acessos em  16  abr.  2016.

[5] BOCK, Ana M. B.;  FURTADO, Odair; TEIXEIRA, Maria L. T. Psicologias: Uma introdução ao estudo de Psicologia. Editora Saraiva: São Paulo, 2008, p.368

O papel social da psicologia na saúde pública

Por: Gustavo Assi

Elementos sócio-histórico-culturais fundamentam a forma como a sociedade edifica seus saberes e retrata suas práticas. Destarte, a atuação profissional não pode ficar pautada apenas nas concepções do indivíduo, sem levar em conta os contextos históricos da formação social na qual ele se encontra[1]. Desse modo, o profissional da Psicologia também não poderia deixar de fora da sua atuação esses aspectos determinantes de uma sociedade.
Em seus mais de 50 anos de profissão regulamentada, a Psicologia no Brasil passou, e ainda passa, por várias transições no que se refere ao seu fazer profissional. Dentre elas, pode-se citar a saída do profissional de caráter autônomo da clínica, para o emprego assalariado e de atuação multiprofissional, com destaque para os serviços públicos e políticas sociais[2].
Uma prática multiprofissional, e de caráter preventivo, não condizia com a representação do fazer da Psicologia em seus primórdios, cujo principal traço era o diagnóstico e a cura da doença mental, onde o Psicólogo era visto como aquele que cuidava de “loucos”, sendo muitas vezes essa a causa de preconceitos e resistências em buscar ajuda psicológica[3] que, de certo modo, os próprios profissionais ajudaram a construir.
Conforme o psicólogo foi sendo inserido no contexto da saúde pública e das políticas sociais, o modelo médico tradicional passou a ser questionado. Tal modelo privilegiava o enfoque individual em detrimento do contexto social e histórico, gerando assim uma prática de ajustamento do indivíduo ao meio. Desse modo, com o surgimento de novas demandas, formadas pela difícil realidade das classes populares brasileiras, o psicólogo passou a necessitar de um novo olhar para o sofrimento psíquico gerado nessa população[4]. Novo olhar que pode ser encontrado na inserção do psicólogo nas políticas sociais e de saúde.
Sabe-se, porém, que os determinantes externos que servem de obstáculo para a atuação do Psicólogo nas políticas sociais não são poucos; o mau funcionamento dos equipamentos de saúde, a corrupção e a má gestão dos serviços, a formação acadêmica que não preza pela multiprofissionalidade, as condições de trabalho aversivas, dentre outros. No entanto, não se pode dispensar a sua contribuição de atuar efetivamente no desenvolvimento da população[2].
Os primeiros questionamentos acerca da contribuição do psicólogo nas funções sociais surgiram nos anos de 1970 e 1980, e centravam-se no tipo de público que poderia ter acesso a esses profissionais – frente a isso, o profissional de psicologia teve de expandir seu trabalho também à população carente[2].
Tal expansão ocorreu com a inserção dos psicólogos nas políticas sociais, principalmente com a transição democrática dos anos 1990. Contudo, a partir da percepção de que não basta ao psicólogo atender aos pobres, mas sim possibilitar meios para que haja mudança, o questionamento sobre o papel social retorna, mas agora como “compromisso social”[2].
A Psicologia comprometida socialmente, pode ser definida como aquela que busca atender camadas sociais que não tiveram acesso ao trabalho do psicólogo. Tal compromisso, busca a adoção de perspectivas teóricas que consideram o contexto social e histórico característicos deste público, em detrimento de abordagens “psicologizantes”[5]. Pautada no compromisso social, a Psicologia da Saúde no Brasil foi ampliando seu âmbito de atuação, de forma a a ultrapassar o contexto hospitalar, na década de 90, para se instalar na saúde pública[6].
A Psicologia da Saúde estuda, então, o papel da própria Psicologia como ciência e profissão nos domínios da saúde, da doença e da prestação dos cuidados de saúde, tendo como ponto de partida as experiências, comportamentos e interações deste contexto. Enfatiza a necessidade de considerar os contextos sociais e culturais nos quais a saúde e as doenças ocorrem, uma vez que as significações e os discursos desses aspectos são diferentes conforme estatuto socioeconômico, gênero, a diversidade cultural e o momento histórico[6].
Embora a inserção do psicólogo no contexto da saúde pública seja recente, a sua prática nas instituições de saúde vai ao encontro com as necessidades sociais, englobando os contextos históricos e sociais como determinantes dessas necessidades. Pode-se dizer então, que o papel social da Psicologia, enquanto inserida na saúde pública, é de compreender que existem diversos contextos, e que cada contexto deve ser analisado de forma única, uma vez que o surgimento de doenças em determinada região diz respeito a características específicas encontradas nela. Além disso, uma prática interdisciplinar que contribua para minimizar o sofrimento psíquico da população, bem como possibilitar meios para que consigam superar situações adversas, está pautada no seu compromisso social.

REFERÊNCIAS

[1]POUBEL, Paula Figueiredo. Psicologia na Saúde Pública. ECOS – estudos contemporâneos da subjetividade. Cuiabá, v. 4, n. 2, p. 192-200, 2014.

[2]COSTA, Ana Ludmila Freire. A Produção Científica de Psicologia e o Debate sobre Política Social. 2014. 286 f. Tese ( Programa de Pós Graduação em Psicologia) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2014.

[3]CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DA 6ª REGIÃO (Org.) Exposição 50 anos da psicologia no Brasil: A História da psicologia no Brasil. Conselho Regional de Psicologia da 6ª Região. São Paulo: CRPSP, 2011.

[4]AMARAL, Marília dos Santos; GONÇALVES, Cristiane Holzschuh; SERPA, Monise Gomes. Psicologia Comunitária e a Saúde Pública: relato de experiência da prática Psi em uma Unidade de Saúde da Família. Psicologia Ciência e Profissão, Brasília, v. 32, n. 2, p. 484-495, 2012.

[5]BOCK, A. M. B. Psicologia e o compromisso social. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2009.

[6]SOBROSA, Gênesis Marimar Rodrigues et al. O Desenvolvimento da Psicologia da Saúde a Partir da Construção da Saúde Pública no Brasil. Revista de Psicologia da IMED. Passo Fundo, v. 6, n.1, p. 4-9, Jan./Jun. 2014.

O papel do psicólogo escolar

Por: Aline Marques

A escola, assim como as outras instituições, é um local onde podem existir várias problemáticas em que um psicólogo pode contribuir. É importante que os membros das instituições escolares saibam o real trabalho de um psicólogo, bem como as contribuições de sua função. Um psicólogo escolar trabalha dentro da escola observando as demandas e contribuindo para melhorias na qualidade do ensino, tanto para funcionários da escola quanto para alunos e pais[1].

A escola é uma instituição neutra que realiza projetos de socialização das crianças e os prepara para a vida em sociedade. As instituições escolares devem beneficiar a todos, independentemente da origem social, da cor, do credo e do sexo[1].

Para muitos professores o papel do psicólogo se resume em auxiliar na mudança de comportamentos de alunos que causam problemas e atrapalham o andamento das aulas ou ainda no auxílio de alunos com deficiência. Entretanto, segundo Aquino[2] o psicólogo deve atender à comunidade escolar indo além dos apelos quanto aos “alunos-problema” ou com dificuldades de aprendizagem. O trabalho do psicólogo escolar é satisfatório quando a comunidade escolar recebe bem as sugestões, participa delas e contribui de forma interdisciplinar para a melhoria da escola.

O essencial para a inclusão de todos os alunos é a melhoria de parcerias com os demais profissionais da instituição de ensino, conscientizando-os da multideterminação dos fenômenos educativos, buscando diferentes formas de atingir todos os alunos e ainda envolvendo todos os membros da comunidade escolar para obter sucesso do processo de escolarização[2].

O corpo docente das escolas (professores) possuem formações em suas áreas específicas no caso dos anos finais e, na educação básica, em pedagogia. Muitos destes profissionais não têm conhecimento sobre saúde mental, transtornos, síndromes, entre outras temáticas em que o psicólogo possui um vasto conhecimento[3].

Uma das funções básicas do psicólogo escolar é o auxílio ao aluno para uma vida plena e sadia, tanto para o que se refere a conhecimento quanto para ajustar-se em sociedade, afinal este é o objetivo da vivência escolar como um todo[3]. Neste sentido, o psicólogo escolar pode propor inúmeras instruções sobre diferentes temáticas, para garantir uma melhor mediação entre aluno-professor[2], pois as crianças precisam de um professor orientado psicologicamente para, assim, aproveitar o máximo de suas potencialidades[3].

Segundo Martins[4], o psicólogo tem o papel de auxiliar os envolvidos da escola a colocar em coletivo novas pautas relacionadas a realidade que está sendo vivenciada para que o próprio grupo possa sugerir novas formas de avaliação dos processos do contexto escolar, como os meios de aprendizagem, organização da instituição, formas de avaliar os alunos, entre outros aspectos importantes para a decisão dos educadores.

É de extrema importância que o psicólogo escolar trabalhe com todos os envolvidos da escola, pois o fracasso escolar não é um problema do aluno somente, mas sim um processo construído das relações escolares, bem como problemas institucionais, de ensino, avaliativos e outras demandas deste contexto[5].

Referências

[1]PATTO, Maria Helena Souza (Org.).  Introdução à Psicologia Escolar. São Paulo: Casa do Psicólogo 3 ed. 1997, p. 468.

[2]AQUINO, Fabíola de Sousa Braz et al . Concepções e práticas de psicólogos escolares junto a docentes de escolas públicas. Psicol. Esc. Educ.,  Maringá ,  v. 19, n. 1, p. 71-78, Apr.  2015 .   Disponível em; <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-85572015000100071&lng=en&nrm=iso>. Acesso em  15  Mar.  2016.

[3]GOLDBERG, Maria Amélia Azevedo (Coordenadora); Concepções do papel do Psicólogo Escolar, São Paulo; 1973. Disponível em: <http://publicacoes.fcc.org.br/ojs/index.php/cp/article/view/1840/1809> Acesso em 19 de Abril.

[4]MARTINS, João Batista. A Atuação do Psicólogo Escolar: multirreferencialidade, implicação e Escuta clínica. Psicol. estud. , Maringá, v. 8, n. 2, p. 39-45, Dezembro de 2003. Disponível a partir <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-73722003000200005&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 19 de abril de 2016.

[5]ASBAHR, Flávia da Silva Ferreira; MARTINS, Edna; MAZZOLINI, Beatriz Pinheiro Machado. Psicologia, Formação de Psicólogos e a escola:. Desafios Contemporâneos Psicol. estud. , Maringá, v. 16, n. 1, p. 157-163, março de 2011. Disponível a partir <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-73722011000100019&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 19 de abril de 2016.

Projeto Todos por Elas

Refletir sobre o potencial crítico e questionador da escola, pode ser um caminho para promover mudanças. Pensando nisso, o curso de Psicologia da UNIFEBE realiza o projeto “Prevenção de Violência contra a Mulher: Todos por Elas” em escolas da rede estadual de ensino. A iniciativa tenciona a prevenção da violência contra a mulher no ambiente escolar, visto que, este é um ambiente capaz de abrir horizontes e provocar transformações pessoais e coletivas a longo prazo.

http://www.unifebe.edu.br/site/imprensa/noticias-unifebe/projeto-de-psicologia-todos-por-elas-conscientiza-contra-violencia-de-genero/